27 de dez de 2008

Pulsação

Só em meu canto permaneço e abuso.
Entre teu vulto, mais um gole de tristeza...
E embriago nesse sabor leve e confuso;
a fantasia, a calma, a alma, o corpo - tudo !

E tudo é paz, tudo é fim nesse meu palco,
onde enceno a cada hora e a cada tempo um novo ato.
Esse é meu canto, que abraça o mundo entre a forma de teu vulto,
como se fosse irreal a despedida!

George Arribas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário